Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Mídia e música em tempos de internet



Organizado por Jeder Janotti Jr., idealizador do projeto, Victor de Almeida Pires e Tatiana Lima,o livro Dez anos a mil: Mídia e Música Popular Massiva em Tempos de Internet aborda discussões em torno da música massiva e, para isso, pesquisadores de várias partes do Brasil assinam nove artigos organizados em duas partes.

É uma leitura que deve interessar todos aqueles que acompanham as mudanças ocorridas no cenário musical atual. O e-book foi inspirado nas transformações que mudaram o consumo e a produção musical na primeira década dos anos 2000, por isso ele é gratuito, em diversos formatos e procura fazer valer as últimas possibilidades de interação acadêmica e profissional propiciadas pela rede.

Confira o conteúdo do livro:

Parte 01 - Músicos, cenas e indústria da música

Entre os afetos e os mercados culturais: as cenas musicais como formas de
mediatização dos consumos musicais
Jeder Janotti Junior
Victor de Almeida Nobre Pires


Tendências da indústria da música no início do século XXI
Micael Herschmann
Marcelo Kischinhevsky


Michael Jackson e o thriller das majors: trajetória e morte de um
modelo
Tatiana Lima


Cinco incertezas sobre Lady Gaga
Thiago Soares


O negócio da música – como os gêneros musicais articulam estratégias de
comunicação para o consumo cultural
Nadja Vladi


Parte 02 - Práticas de consumo musical

Práticas de escuta e cultura de audição
Jorge Cardoso Filho


Discografias – mediações musicais em uma discoteca coletiva
Jefferson Chagas
Simone Pereira de Sá


Critérios de qualidade na música popular: o caso do samba brasileiro
Felipe Trotta


Por uma função jornalísticas nos blogs de MP3 - download e crítica
ressignificados na cadeia produtiva da música
Bruno Nogueira



O livro está disponível em três versões eletrônicas: como e-book (PDF), para tablets (ePub) e para Kindle (mobi), disponíveis para download gratuito no endereço www.dezanosamil.com.br.


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Atividades Musicais - Timbre





Timbre é a característica sonora que nos permite distinguir se sons de mesma frequência foram produzidos por fontes sonoras conhecidas  nos permitindo diferenciá-las.

Quando ouvimos, por exemplo uma nota tocada por um piano e a mesma nota (uma nota com a mesma altura) produzida por um violino, podemos imediatamente identificar os dois sons como tendo a mesma freqüência, mas com características sonoras muito distintas. De forma simplificada podemos considerar que o timbre é como a impressão digital sonora de um instrumento ou a qualidade de vibração vocal. Muitos chamam essa propriedade como a Cor do Som.

Fundamentação física do timbre

Embora este fenômeno seja conhecido há séculos, somente há algumas décadas, com o advento da eletrônica foi possível compreendê-lo com mais precisão.

O Lá central do piano possui a freqüência de 440Hz. A mesma nota produzida por um violino possui a mesma freqüência. Uma das formas do ouvido diferenciar os dois sons e identificar sua fonte é a forma da onda.

Forma de onda
Quando qualquer objeto capaz de produzir sons entra em vibração, uma série de ondas senoidais é produzida. Além da frequência fundamental, que define a nota, várias freqüências harmônicas também soam.

 O primeiro harmônico de qualquer nota tem o dobro de sua freqüência; o segundo harmônico tem o triplo de sua freqüência e assim por diante. Qualquer corpo em vibração produz dezenas de freqüências harmônicas que soam simultaneamente à nota fundamental. No entanto o ouvido humano não é capaz de ouvir os harmônicos com frequência superior a 20000Hz. Além disso, devido às características de cada instrumento ou da forma como a nota foi obtida, alguns dos harmônicos menores e audíveis possuem amplitude diferente de um instrumento para outro.

Se somarmos a amplitude da freqüência fundamental às amplitudes dos harmônicos, a forma de onda resultante não é mais senoidal, mas sim uma onda irregular cheia de cristas e vales. Como a combinação exata de amplitudes depende das características de cada instrumento, suas formas de onda também são muito distintas entre si. Mesmo uma única corda pode vibrar em vários harmônicos simultaneamente. O timbre do instrumento é a soma destes harmônicos em conjunto com as características da caixa acústica do instrumento.Veja os exemplos abaixo:

Ondas sonoras de mesma frequência e diferentes timbres produzidas por diversas fontes



Abaixo, veremos alguns exemplos de atividades que utilizam a propriedade timbre:

Atividade 1:
Seguir comandos de acordo com o timbre do instrumento tocado. Quando ouvir o tambor, parar como estátua, quando ouvir o agogô correr, e quando ouvir o triângulo andar na ponta dos pés.
Objetivos Específicos: Trabalhar a marcha, alguns movimentos corporais e a concentração.

Atividade 2:
Colocar as crianças sentadas em círculo, uma sentada no centro da roda com os olhos vendados tentará reconhecer a voz de quem está falando ou cantando, acertando então o nome do colega, este então irá para o centro da roda.
Objetivos Específicos: Trabalhar a percepção auditiva, a atenção e a sociabilização.

Atividade 3:
 Colocar dentro de um saco grande, instrumentos e objetos que produzam som. Manipular os objetos e os instrumentos sem serem vistos pelas crianças.Elas deverão identificar o som dos mesmos pelo seu timbre.
Objetivos Específicos: Percepção auditiva e sociabilização.

Atividade 4:
O grupo será dividido em duplas, onde a dupla escolherá um instrumento específico e fará através de expressão corporal, como é tocado este instrumento, enquanto os outros grupos tentarão identificar o instrumento e produzir o som que o mesmo faz.
Objetivos Específicos: Trabalhar a coordenação motora, a criatividade e a percepção auditiva e visual.


Atividade 5: 
Ouvir diferentes sons e identificar a fonte sonora. Utilizar o CD de sons. (Baixe o Cd com vários sons)
A identificação poderá ser feita falando a fonte, ou através da indicaçãode figuras. (sugestões de figuras abaixo)
Objetivos Específicos: A atenção, memória e discriminação auditiva.


Clique nas imagens para visualizar e  imprimir em tamanho maior.







Com esta postagem, fechamos as atividades que envolvem as quatro propriedades do som.

Bom trabalho!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Profissão: Músico




Estamos vivendo a revolução dos computadores, da internet e dos meios de comunicação em massa. O acesso a informação nunca esteve tão abundante e fácil.

Há não muitos anos atrás, quando queríamos conhecer melhor um artista, tínhamos que comprar o disco, ou pedir para um amigo gravar para nós (em fitas cassetes). Hoje, basta realizar uma busca na internet para encontrarmos o disco e fazer o download, não só do disco que queremos, mas até da discografia inteira.

Se por um lado todas essas facilidades nos oferecem maior acesso aos artistas,  para os profissionais envolvidos representa uma crise a ser resolvida.

Mas afinal, as crises são sempre negativas?

Se analisada em sua origem, (do grego krisis), crise significa um momento de decisão que pode tornar a vida de uma pessoas muito melhor. Em outras palavras, enquanto alguns vêem problemas, outros enxergam possibilidades.

Para os músicos profissionais, a "crise" que envolve o mercado musical exigem mudanças significativas na maneira de conduzir a carreira, sobrevivendo assim o músico que melhor se adaptar as mudanças impostas.

É neste cenário que o documentário Profissão: Músico foi produzido. Selecionado para o festival de Verão RS de cinema de 2010, o filme foi produzido pelo projeto CCOMA e pelo cineasta colombiano Daniel Vargas entre outubro de 2009 e dezembro de 2010.
Projeto CCOMA: Roberto Scopel e Swami Sagara

Com imagens realizadas no Brasil, Uruguai, Colômbia, Alemanha e Grécia, o documentário conta com depoimentos de músicos de rua da França e Inglaterra, Djs como Anderson Noise e Ravin, músicos como Edgar Scandurra, Fernando Catatau, Naná Vasconcelos e Pedra Branca.

"Agora, não basta só tocar. A profissão de músico mudou muito nos últimos anos. A internet trouxe o artista para perto do público e vice-versa, não importando mais se este músico vive em Londres ou no interior das montanhas do Sul do Brasil".



Assista o filme: 



Para saber mais mais sobre o Projeto CCOMA e o documentário acesse:


segunda-feira, 9 de maio de 2011

Atividades Musicais - Duração






Duração é o tempo de produção de um som, ou seja, é a propriedade do som ser mais breve ou mais longo.

A amostragem de uma onda sonora de uma nota curta ou longa a princípio não apresenta diferença alguma, apenas o tempo de sua execução difere.

Existem instrumentos com características que propiciam a execução de notas longas com facilidade, como o violino e outros instrumentos de arco, já no caso do violão, as durações não devem ser muito grandes, pois, uma vez tocada a nota, ela atinge o seu ponto máximo de sonoridade imediatamente, perdendo em seguida sua amplitude, até o som ficar inaudível, embora ainda possamos perceber a corda vibrando. As durações das notas musicais são grafadas através das figuras musicais.




Andamento

 A relação do andamento com as figuras de notas apresentadas acima, diz respeito à velocidade da execução.

A velocidade empregada, medida pelo metrônomo, pode ser indicada pelo número de batidas por minuto e/ou por termos italianos, sendo que cada palavra representa o número aproximado das batidas.



 Abaixo, veremos alguns exemplos de atividades que utilizam a propriedade duração:

Atividade 1:
Tocar no teclado notas curtas “stacatos” e notas longas. Ao ouvir os stacatos as crianças deverão saltar acompanhando o som; com as notas longas parar e espreguiçar alongando o corpo.
Objetivos Específicos: Trabalhar a movimentação dos membros inferiores e superiores, a propriocepção e a atenção.

Atividade 2:
Tocar uma música variando o andamento. As crianças deverão correr e andar de acordo com o andamento da mesma.
Objetivo Específico: Treinar a marcha, a espacialidade e a atenção.


Atividade 3:
Distribuir folhas e lápis coloridos e orientar as crianças para fazerem desenhos “livres”quando ouvirem um som longo ou um som curto sendo tocado no teclado ou flauta.
Objetivos Específicos: Trabalhar a atenção, a percepção espacial e a criatividade.


Atividade 4:
Demarcar a sala com uma linha, identificando um som longo e um som curto. A linha maior: som longo, e a menor: som curto. As crianças deverão identificar o som curto ou o som longo que será tocado no teclado e escolherá uma das linhas para caminhar em cima.
Objetivos Específicos: Trabalhar a própriocepção, o equilíbrio e a marcha.

Atividade 5:
A criança ouvirá sons de vários animais (baixe aqui cd com sons diversos) e irá identificar qual destes animais têm um som longo ou curto, exemplo: o mugido da vaca, o piado do pintinho, etc.,tentando assim, imitar o som dos respectivos animais a serem apresentados, os que fazem o som longo e o som curto. Pode-se utilizar os outros sons contidos no Cd.
Objetivo Específico: Percepção auditiva, criatividade e atenção.

Lembramos que as atividades propostas são sugestões e  podem ser ampliadas e modificadas, de acordo com o objetivo e faixa etária. 

Em uma próxima postagem veremos a última propriedade: Timbre

Bom trabalho!

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Paisagem Sonora




No último sábado, dia 30 de Abril, participei da X Semana de Musicoterapia da FMU, SP. O evento contou com quatro palestras intercaladas com apresentações musicais.

A primeira palestrante foi a professora Marisa Trench de Oliveira Fonterrada, colaboradora do compositor e musicólogo canadense Murray Schafer, com o qual tem participando de muitos trabalhos no Brasil, no Canadá e em Portugal.  Na palestra que inaugurou o encontro, Fonterrada tratou de um tema interessante: Paisagem Sonora.

Paisagem sonora, ou soundscape é definida por Schafer (1979) como todo ambiente acústico, qualquer que seja sua natureza. É importante ressaltar que a paisagem sonora está em constante transformação. No curso da história, verifica-se que ela vem se tornando progressivamente mais barulhenta. Isto se deve, em grande parte, à maior quantidade de objetos produtores, transmissores e amplificadores de som.

Timbres característicos, fenômenos como a chamada terça nordestina, maneiras próprias de entoar a voz, tudo isso é responsável por sonoridades locais, que se mesclam com outros sons, ruídos, falas, fazendo surgir verdadeiras paisagens sonoras.

Soundscapes e Poluição Sonora

Na década de 1970 Murray  Schafer era docente em um curso de comunicação, e dava aulas em uma disciplina  que tratava de som e ambiente. Até então, essa disciplina estivera exclusivamente a  cargo de advogados e médicos convidados. Os primeiros traziam subsídios legais para  tratar da questão da poluição sonora e os segundos abordavam os danos à saúde  provocados pelo excesso de ruído.

Murray Schafer
Os alunos não se interessavam pela maneira como  o curso era conduzido e protestavam, achando que essas questões estavam muito  distantes de sua vida e de seus valores. 

Desse modo, quando Schafer chegou, logo de início teve de enfrentar um ambiente carregado e, mesmo, hostil. Mas ele tinha idéias peculiares a respeito de como conduzir a disciplina. Por  ser compositor, seu interesse pelo som era ativo e não passivo ou, dizendo de outro  modo, era positivo e não negativo. Não acreditava que, com regras, leis e proibições,  fosse possível atacar a problemática do excesso de ruído ambiental e da poluição  sonora. 

Para ele, era preciso aperfeiçoar os modos de apreensão do som, valorizar sua  importância, nem sempre adequadamente percebida, e conscientizar as pessoas a  respeito do som ambiental, tornando-as cúmplices no processo de construir um  ambiente sonoro adequado a elas e à comunidade na qual viviam. Ao iniciar suas  aulas, Schafer trabalhou com esse objetivo, procurando desenvolver com a classe a consciência a respeito do ambiente sonoro, para que a problemática que o envolve aflorasse, a partir da experiência dos próprios alunos.

Assista abaixo um vídeo com uma composição de Schafer baseado nas idéias de Soundscape. Você notará a presença de muitas sonoridades, inclusive ruídos:




Para concluir a postagem, deixo  dois exercícios simples  que encontram-se no livro "Hacia uma Educacion Sonora", de Murray Schafer, o qual conta com 100 exercícios de audição e produção sonora (aqui os exercícios 1 e 2 do livro):

Exercício 1: Anote todos os sons que escuta. Tome alguns minutos para essa tarefa. Se a atividade for realizada em grupo, ler todas as listas em voz alta. Possivelmente as listas serão diferentes, já que cada escuta é muito pessoal. Este simples exercício pode ser feito em qualquer lugar e por qualquer pessoa. Sugere-se experimentar a atividade em momentos diferentes, a fim de desenvolver o hábito da escuta.

Exercício 2: Agora dividiremos a lista de várias maneiras: Começamos escrevendo as letras N, H e T a cada som, dependendo da fonte sonora: N -natureza; H - humano; T - tecnológico, produzido por máquina. Qual som predomina destas categorias?

Agora coloque uma cruz junto a cada som que foi produzido por você mesmo. A maior parte dos sons foi produzido por você ou por outros? 

Alguns sons continuaram incessantemente durante todo o período de escuta, outros se repetiram, soando mais de uma vez, e outros se escutaram apenas uma vez. Marque C para os sons que continuaram, R, para os repetitivos e U para os sons únicos. Qual a prevalência? Ainda, é possível que um som esteve continuamente soando e você só se deu conta quando a pergunta foi feita? 

Em outras postagens, colocaremos mais exercícios. Boa escuta!

Referências


Schafer, R. Murray. Hacia una Educacion Sonora. Buenos Aires: Pedagogia Musicales Abiertas, 1994
 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates