Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Doses Sonoras



Recentemente no Brasil, um crescente e controverso mercado vem chamando a atenção de jovens, pais, educadores e até do ministério público: a venda de drogas digitais.

As drogas digitais ou i-doses são arquivos de MP3 feitos especialmente para induzir estados alterados em quem ouvir, dando supostamente sensações parecidas com as do consumo de drogas como maconha e ópio.


A idéia de usar sons como droga surgiu em 2001 com John Ashton, um programador de áudio nova-iorquino de 31 anos. Sua primeira invenção foi a maconha, lançada em 2005.

 O princípio da droga digital é a técnica binaural beats (batidas binaurais) , descrita pelo físico alemão Heinrich Dove em 1839. Segundo o cientista, se frequências distintas são reproduzidas em cada ouvido, o cérebro produz um terceiro sinal, correspondente à diferença entre os sons originais. A nova frequência teria o poder de alterar o estado de consciência do usuário.


Nas linhas abaixo, reproduzo  a chamada do I-Doser Mp3, blog especializado em fornecer as drogas digitais em forma de "doses sonoras" que variam de 10 à 45 minutos de duração.

(Lembramos a todos que o blog Música & Saúde não apoia o uso de qualquer tipo de droga, seja real ou virtual. Apenas se propõe a discutir o assunto com seus leitores.)

Transcrição da frase inicial do blog I-Doser MP3:
“Já teve vontade de experimentar drogas, mas não teve coragem por medo de viciar ou de ser "careta"? Então chegou o modo mais seguro para que você possa sentir tais sensações que as drogas reais provocam ao usuário! Estou falando do I-doser, que é um programa de computador que emite doses de ondas sonoras para interferir nas ondas cerebrais da "vítima"..rsrs! Elas simulam efeitos físicos e mentais semelhantes às drogas recreativas, como heroína, maconha, cocaína, etc. Também a doses que simulam sensações de remédio prescrito como o famoso Viagra e até de esteróides como a Victory! Mas vou logo avisando que os efeitos podem ser sentidos incialmente, ou por um certo tempo de uso! Pra quem está começando aconselho a dose Quick Happy!”

As experiências musicais oferecidas pela internet  deixam pelo menos duas questões:
1  A audição pode mesmo gerar estados alterados de consciência?
2 Elas podem ser de alguma forma, prejudiciais?


Musicoterapia e Experiências sonoras 

Helen Bonny

A musicoterapeuta Helen Bonny,  no fim da década de 60, deu início a  estudos nos quais experiências musicais em conjunto com doses de LSD levavam a estados alterados de consciência, induzindo o indivíduo a vivenciar aumento da emoção, suspensão do superego e experiências de criatividade.
Helen porém, percebeu que  o LSD era dispensável, pois "só a música,  quando escolhida com conhecimento e discriminação, podia produzir um estado alterado da mente ”. 

No método desenvolvido por Helen (GIM),  geralmente são experimentados três níveis de experiência com a música: o prelúdio, a ponte – ascensão ou descida a estados mais profundos e o centro ou mensagem da sessão. No final da sessão, o paciente sai do estado alterado de consciência e reflete sobre o que aconteceu, juntamente com o musicoterapeuta.

Portanto, de acordo com Bonny, a realização de experiências musicais que levam a estados mentais alterados,  devem ser feitos com conhecimento e discriminação, acompanhado de um musicoterapeuta em um processo criterioso.  A preocupação ética da aplicação do método Bonny, sob o risco de gerar danos ao indivíduo caso seja aplicado erroneamente, garante que tal técnica seja aplicada somente por profissionais formados no método, evitando o uso indiscriminado e equivocado das audições propostas. 

Apesar das diferenças existentes nos dois casos: O método Bonny utiliza programas musicais baseados principalmente na música erudita, enquanto os I-doser utilizam-se nas batidas binaurais, podemos pensar que a audição indiscriminada de experiências sonoras que induzem a alteração de consciência, pode sim oferecer riscos , se não fisiológicos, psicológicos e mentais.

Entretanto, por se tratar de um tema relativamente recente, ainda carece de maiores pesquisas. 

E você, o que acha? Deixe sua opinião a respeito!



Saiba mais:
- Sobre o modelo Helen Bonny: http://www.ami-bonnymethod.org/index.asp

- Sobre o I-doser: http://pt.wikipedia.org/wiki/I-doser

- Blog I-Doser MP3: http://i-doserbr.blogspot.com/



4 comentários:

Daniel disse...

Já ouvi falar sobre essas "drogas digitais". Na boa, eu acho isso ridículo. Eu não entendo qual é a graça disso. O cara vai põe o mp3 e sente um barato. É totalmente sem nexo e sem propósito isso.

Eu tenho uma maneira de me sentir bem e sem precisar dessas tosquises: Doses excessivas de jazz, blues e rock. Não preciso de mais nada para me sentir bem.

Creio que esse lance de "droga digital" é pro camarada que quer usar droga mais nao tem coragem de ir e comprar a de verdade, dai fica com essa palhaçada. Volto a dizer, é algo sem nexo na minha opinião, além de ser ridículo.

Abraço
Daniel

Música e Saúde disse...

Daniel

Também acho que comercializar tais arquivos mp3 como droga soa bem ridículo...mas como musicoterapeuta, tb sei que a música pode gerar efeitos variados nas pessoas, principalmente se a audição for sugestionada como é feito com as i-doser.

A questão é que tem muita gente consumindo e relatando reações muito estranhas...não sei até onde são verdadeiras, por isso lancei aqui o assunto.

Por fim, concordo plenamente com as altas "doses" de boa música!

Abçs, Flávia

guilhermestutz disse...

Que a audição pode gerar estados alterados de consciência há testes suficientes para comprovar. Na minha opinião, é prejudicial no sentido de ser oferecida como recurso de escape da realidade, terapeuticamente falando!

Música e Saúde disse...

Guilherme

Os escapes da realidade são o princípio das drogas, portanto, prejudiciais..

Quanto a indução de estados alterados de consciência em terapia, a idéia não é fugir da realidade, mas sim entrar em contato com conteúdos internos, e sempre com acompanhamento do terapeuta.

Abçs

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, leia as normas do blog:

Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão.

Obrigada por sua participação, fico na expectativa de seu retorno!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates