Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Musicoterapia e Idosos - Doença de Alzheimer




O emprego da música no tratamento de idosos portadores de Doença de Alzheimer tem se mostrado ser uma forma terapêutica eficaz.
Sabe-se que as habilidades musicais são geralmente preservadas em portadores de DA, mesmo quando os níveis de comprometimento da memória e linguagem estão se tornando mais acentuados.
Segundo pesquisa realizada no Instituto de Psiquiatria da UFRJ, que oferece o atendimento de Musicoterapia desde 1968, a música é a última atividade cognitiva a ser perdida num quadro demencial. A importância dessa terapia reside, principalmente, na capacidade da música de fazer com que o idoso entre em contato consigo mesmo, resgatando e revivendo experiências do passado, expressando sentimentos, refletindo e se concentrando numa atividade (CAYRES, 2006).
Para Oliver Sacks, a musicoterapia se mostra eficiente com indivíduos acometidos por demência, mesmo nos casos mais avançados: “A resposta à música, em especial é preservada, mesmo quando a demência está muito avançada” (SACKS, 2007, p. 320).
O autor ainda cita objetivos importantes alcançados pelo tratamento musicoterápico:
O objetivo da musicoterapia para as pessoas com demência é bem mais amplo: atingir as emoções, as faculdades cognitivas, os pensamentos e memórias, o self sobrevivente desse indivíduo, para estimulá-los e fazê-los aflorar. A intenção é enriquecer e ampliar a existência, dar liberdade, estabilidade, organização e foco (SACKS, 2007, p. 320).


Atendimento musicoterapêutico em uma instituição asilar

A musicoterapia, portanto, utiliza-se da música enquanto linguagem e meio de expressão de natureza não verbal, favorece a exteriorização das potencialidades, proporciona a expressão de emoções e promove o desenvolvimento da criatividade, ampliando perspectivas de vida através do fortalecimento da auto-estima e das conexões cerebrais.
Ao utilizar-se da música e de sua qualidade polissêmica, ou seja, das mais variadas significações que ela pode representar para o sujeito idoso, a musicoterapia atua de forma global, seja no estímulo das potencialidades funcionais, mas principalmente, nos processos afetivos e mentais.

A bagagem musical do idoso oferece recursos para que o terapeuta possa acionar canais de comunicação e assim, promover a valorização da identidade pessoal do indivíduo, facilitando a participação efetiva no processo terapêutico e, consequentemente, conduzindo o idoso a uma melhor qualidade de vida.

“Acredita-se que a função da Musicoterapia é criar, manter e fomentar a comunicação, resgatando a espontaneidade perdida pelo homem ao longo de sua existência, estimulando a criatividade e liberando o indivíduo de condutas estereotipadas, de sua rigidez e cristalizações, comportamentos adquiridos durante o processo e envelhecimento” (GODINHO IN CASTRO E  PINTO ET AL, 2006).

Referências
CASTRO PINTO, S. P. L. et al. O Desafio Multidisciplinar: Um Modelo de instituição de Longa Permanência para Idosos. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2006.  
CAYRES, K. Quem Canta, Seus Males Espanta. Artigo disponível em: http://www.amtrj.com.br/arquivos/jornalUFRJ.pdf.
SACKS, Oliver. Alucinações Musicais: Relatos sobre a Música e o Cérebro. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.


0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, leia as normas do blog:

Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão.

Obrigada por sua participação, fico na expectativa de seu retorno!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates